Libra Terminais Santos registra recorde mensal de produtividade

Veículo: Porto & Mar - A Tribuna

Data: 10/02/2014 00:00:00

A Libra Terminais Santos fechou o último mês com o maior índice de produtividade de sua história. Em janeiro, as operações da empresa, especializada no embarque e desembarque de contêineres no Porto de Santos, registraram a média de 70 movimentos por hora (MPH). O resultado ficou cinco pontos acima do esperado por sua diretoria para o período, que era de 65 MPH e já considerado “ambicioso”. O MPH é um índice que mede a performance de terminais de contêineres. Ele considera os movimentos realizados por portêineres (equipamentos que levam os contêineres entre o cais e a embarcação) ou guindastes durante a operação de um navio – o embarque de um contêiner conta como um movimento, assim como seu desembarque, a colocação e a retirada das tampas dos porões das embarcações e até o deslocamento de peças ocorrido em meio aos trabalhos. A marca foi comemorada pela Libra Terminais Santos, unidade do Grupo Libra que cuida de suas instalações portuárias no cais santista – o T37, o T35 e o T33. Além de ficar acima do previsto, o resultado representou um crescimento de 12,3 pontos sobre o obtido em janeiro do último ano (57,7 MPH). O recorde foi obtido considerando os 37 navios que escalaram nos terminais da empresa no mês passado. Em quatro dessas embarcações, os índices de produtividade foram superiores a 100 MPH. E desses, em dois, foi quebrado o recorde sul-americano – inicialmente no dia 20, com o Maersk Letícia, que teve 156,7 MPH, e, uma semana depois, com o Maersk Lins, com 163,8 MPH. Para este mês, a expectativa é suplantar a marca. Até o último dia 5, a média mensal era de 73 MPH. Para o diretor geral da Libra Terminais Santos, Roberto Teller, o aumento da produtividade é resultado de investimentos em equipamentos e processos, na qualificação de funcionários e de um maior planejamento com os armadores. Segundo o executivo, navios “bem planejados” – com os contêineres distribuídos pelos porões de forma a facilitar o desembarque e o embarque – são um fator essencial para essa alta produtividade. O resultado obtido pela empresa acaba favorecendo todo o setor, afirma Teller. “Quando conseguimos uma marca como esta, não mostramos apenas que a Libra consegue esse resultado. Isso vai além. Mostra que Santos consegue, que um armador em um porto brasileiro consegue essa produtividade”, explicou. Segundo o executivo, um terminal de contêineres com uma média mensal entre 50 e 70 MPH é considerado de primeira classe. Quando ultrapassa os 70 MPH, chega a classe mundial. No Porto e no mundo Apesar da média de janeiro ser a mais alta atingida pela Libra Terminais, ela não é a maior do Porto de Santos. Esse recorde pertence à Santos Brasil, operadora do Terminal de Contêineres (Tecon). Em abril de 2012, ela registrou o 81,86 MPH. No mercado mundial, o terminal de contêineres com maior índice de produtividade é, atualmente, o APM Terminals Yokohama, no Porto de Yokohama, no Japão. Sua média anual, em 2012, foi de 150 MPH, segundo levantamento do Journal of Commerce, publicação norte-americana especializada em portos, e divulgado no ano passado.